Teor de macronutrientes e micronutrientes dos alimentos ultraprocessados de maior comercialização no Brasil em 2021: qual o impacto na saúde?

Autores

  • Mariana Rodrigues da Silva Faculdade Estácio de Sá https://orcid.org/0000-0003-2815-6050
  • Priscilla Vieira Nunes Moreira Zimerman Faculdade Estácio de Sá https://orcid.org/0000-0001-8950-0973
  • Flávio Tondati Ferreira Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande
  • Lidiani Figueiredo Santana Faculdade Campo Grande - FCG

Palavras-chave:

Composição dos Alimentos, Alimentos Industrializados, Risco à Saúde Humana

Resumo

Introdução: Os alimentos ultraprocessados vêm ganhando cada vez mais espaço na alimentação mundial, pois a publicidade estratégica de marketing de alimentos não saudáveis tem influenciado as escolhas da população com o discurso de valorizar a facilidade, a praticidade e o baixo custo. Objetivo: Sendo assim, o objetivo deste estudo foi quantificar o teor de carboidratos, proteínas, gorduras (e sua distribuição), vitaminas e minerais dos alimentos ultraprocessados e comparar o impacto na saúde por meio de planos alimentares (com alimentos ultraprocessados e balanceados). Materiais e métodos: Para tanto, foram selecionados alimentos industrializados de maior consumo no Brasil e em seguida elaborados dois planos alimentares, um com os alimentos industrializados e outro com alimentos in natura e minimamente processados; ao término foram quantificados valores calóricos de macro e micronutrientes. Resultados: Os resultados indicaram que mesmo elaborando ambos os planos alimentares com a mesma quantidade energética, aquele com alimentos industrializados apresentou maior densidade calórica advinda de carboidratos e gorduras (saturadas) e menores quantidades de proteínas, quando comparado com o plano sem alimentos industrializados. Também observou-se menor quantidade de vitaminas, de fibras e de minerais, exceto para o sódio, no qual o plano com alimentos industrializados ultrapassou a recomendação. Já o plano sem alimentos industrializados conseguiu contemplar as recomendações de vitaminas, minerais e fibras. Conclusão: Observou-se que qualitativamente o plano alimentar com alimentos não industrializados atingiu as recomendações nutricionais de macro e micronutrientes, já o plano com alimentos ultraprocessados, mesmo com valor calórico correspondente, concentrou maior teor de carboidratos, lipídeos e sódio e baixos valores dos demais micronutrientes.

Referências

ABESO. Diretrizes brasileiras de obesidade. 4. ed. São Paulo: ABESO, 2016. Disponível em: http://www.abeso.org.br/uploads/downloads/92/57fccc403e5da.pdf. Acesso em: Acesso em: 12 jan. 2023.

AGUIAR, M. S.; BERNARDO, E. D. S.; COSTA, F. N. Alto consumo de sódio: impacto na saúde da população brasileira adulta. Research, Society and Development, [s. l.], v. 10, n. 14, e440101422132, 2021.

ALMEIDA, L. B. et al. Barriers to and facilitators of ultra-processed food consumption: perceptions of Brazilian adults. Public Health Nutrition, [s. l.], v. 1, n. 21, p. 68–76, 2018.

BERTI, T. L. et al. Consumo alimentar segundo o grau de processamento e características sociodemográficas: Estudo Pró-Saúde. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 22, e190046, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

CAIVANO, S. et al. Conflitos de interesses nas estratégias da indústria alimentícia para aumento do consumo de alimentos ultraprocessados e os efeitos sobre a saúde da população brasileira. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, [s. l.], v. 12, n. 2, p. 349-360, 2017.

COSTA, C. D. S. et al. Escore Nova de consumo de alimentos ultraprocessados: descrição e avaliação de desempenho no Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 55, n. 13, p. 1-9, 2021.

COUTINHO, W. et al. Consenso latino-americano de obesidade. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 43, p. 21-67, 1999.

CRUZ, G. L. D. et al. Alimentos ultraprocessados e o consumo de fibras alimentares no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 26, n. 9, p. 4153-4161, 2021.

DORNA, M. de S.; SEKI, M. M. Consumo de Sal do Himalaia e Sal de Mesa entre Indivíduos Hipertensos. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 118, p. 883-884, 2022.

GONZÁLEZ OLMO, B. M.; BUTLER, M. J.; BARRIENTOS, R. M. Evolution of the human diet and its impact on gut microbiota, immune responses, and brain health. Nutrients, [s. l.], v. 13, n. 1, p. 196, 2021.

JENSEN, M. D. et al. 2013 AHA/ACC/TOS guideline for the management of overweight and obesity in adults: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines and The Obesity Society. Journal of the American College of Cardiology, New York, US, v. 63, n. 25, p. 2985-3023, jul. 2014.

LIMA, F. F. et al. Excesso de peso materno, estilos e práticas parentais de alimentação e oferta de alimentos ultraprocessados aos filhos em idade pré-escolar. 2018. 144f. Tese (Doutorado em Alimentação, Nutrição e Saúde) – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

MAGNO, F. C. C. M. et al. Macro e micronutrientes na orientação nutricional para obesidade. HU Revista, Juiz de Fora, v. 44, n. 2, p. 251-259, 2019.

MATA, S. P.; DIAS, D. de A. M. Educação alimentar e nutricional em indivíduos submetidos a cirurgia bariátrica. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, [s. l.], v. 13, n. 77, p. 28-39, 2019.

MELO, H. M.; FREITAS, L. N. P. Quantificação do teor de sódio em temperos industrializados e comercializados em supermercados de Belém–PA. Brazilian Journal of Development, [s. l.], v. 6, n. 6, p. 41772-41794, 2020.

MENEGASSI, B. et al. A nova classificação de alimentos: teoria, prática e dificuldades. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, p. 4165-4176, 2018.

NOGUEIRA, M. B. et al. Consumo de alimentos ultraprocessados e fatores associados no primeiro ano de vida em Cruzeiro do Sul, Acre, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 1, n. 27, p. 725-736, 2022.

OLIVEIRA FILHO, V. C. et al. Avaliação de macro e micronutrientes em cuidadores de pessoas idosas: uma questão de consumo alimentar. Research, Society and Development, [s. l.], v. 11, n. 7, e21511725635, 2022.

PADOVANI, R. M. et al. Dietary reference intakes: aplicabilidade das tabelas em estudos nutricionais. Revista de Nutrição, Campinas, v. 19, p. 741-760, 2006.

PINTO, J. R. R.; COSTA, F. N. Consumo de produtos processados e ultraprocessados e o seu impacto na saúde dos adultos. Research, Society and Development, [s. l.], v. 10, n. 14, e568101422222, 2021.

RIBEIRO, A. C. et al. Efeitos da educação em saúde no estado nutricional e consumo alimentar de pessoas com diabetes mellitus e/ou hipertensão atendidos na atenção primária a saúde. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, [s. l.], v. 16, n. 103, p. 637-645, 2022.

STEELE, E. M. et al. Dietary share of ultra-processed foods and metabolic syndrome in the US adult population. Preventive Medicine, San Diego, Califórnia, v. 125, p. 40-48, 2019.

TACO. Tabela brasileira de composição de alimentos. 4. ed., rev. e ampl. Campinas: NEPA- UNICAMP, 2011.

VIEIRA, M. de S. N.; MATIAS, K. K.; QUEIROZ, M. G. Educação em saúde na rede municipal de saúde: práticas de nutricionistas. Ciência & Saúde Coletiva, v. 26, p. 455-464, 2021.

Downloads

Publicado

06.10.2023

Como Citar

SILVA, M. R. da; ZIMERMAN, P. V. N. M.; FERREIRA, F. T.; SANTANA, L. F. Teor de macronutrientes e micronutrientes dos alimentos ultraprocessados de maior comercialização no Brasil em 2021: qual o impacto na saúde?. Revista de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, v. 6, n. 1, p. 29–39, 2023. Disponível em: https://revista.saude.ms.gov.br/index.php/rspms/article/view/250. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais