Recém-nascidos em alojamento Canguru: caracterização e diagnósticos de enfermagem

Autores

Palavras-chave:

Método Canguru, Enfermagem Neonatal, Processo de Enfermagem, Recém-Nascido, Saúde Materno-infantil

Resumo

Introdução: O Método Canguru traz uma mudança de paradigma global de separação zero das mães de seus bebês. Objetivo: Caracterizar os recém-nascidos admitidos na Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru de um hospital de ensino da região Centro-Oeste e os diagnósticos de enfermagem. Materiais e métodos: Estudo descritivo, transversal, retrospectivo realizado por meio de busca em prontuários dos recém-nascidos hospitalizados nesta unidade entre 2019 e 2020. O período de coleta de dados foi de agosto a outubro de 2021. Resultados: O peso de nascimento dos recém-nascidos predominou entre 1.500g a 2.499g. A prematuridade nos últimos anos foi o principal agravo em saúde. Já o risco de infecção o principal diagnóstico de enfermagem em 2019 e, em 2020, foi risco de infecção e de aspiração. Os bebês permaneceram na unidade entre um e dois dias. O peso de alta foi entre 1.500g a 2.499g e a maioria dos recém-nascidos receberam alta em aleitamento materno exclusivo. Em relação às mães, a maioria estava entre os 20 e 34 anos, com idade gestacional de 34 a <37 semanas para ambos os anos e o tipo de parto foi cesárea. Conclusão: Os dados obtidos por meio da caracterização dos recém-nascidos atendidos nesta unidade poderão subsidiar ações efetivas relacionadas à prática do Método Canguru na segunda etapa e favorecer a qualidade de vida dos neonatos.

Referências

AIRES, L. C. et al. Kangaroo-mother care method: a documentary study of theses and dissertations of the brazilian nurse (2000-2017). Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 73, n. 2, p. 1-9, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/XhR8fkBrS7L3xBTGrtwTYVR/?lang=e. Acesso em: 02 ago. 2022.

ALMEIDA, V. S. et al. Nursing diagnoses of newborns in rooming-in care using ICNP®. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 75, n. 4, 1-9, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/sM9nnvzgjG4QZhQyqyRcG4M/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 27 jul. 2022.

BATISTA, C. D. et al. Diagnósticos e cuidados de enfermagem ao recém-nascido prematuro em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista Eletrônica Acervo Saúde, [s. l.], v. 35, e1593, 2019. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/1593/94. Acesso em: 10 jul. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466/2012, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 12, p. 59, 13 jun. 2013. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 01 ago. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humani¬zada ao recém-nascido: Método Canguru, manual técnico. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde. 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_metodo_canguru_manual_3ed.pdf. Acesso em: 01 ago. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Método canguru: diretrizes do cuidado. Brasília: Ministério da Saúde, 2019a. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/metodo_canguru_diretrizes_cuidado_revisada.pdf. Acesso em: 02 ago. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Método Canguru: manual da terceira etapa do Método Canguru na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde. 2019b. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wpcontent/uploads/2019/10/manual_terceira_etapa_metodo_canguru.pdf. Acesso em: 27 jul. 2022.

CARPENITO, L. J. Manual de Diagnósticos de Enfermagem. 15. ed. Porto Alegre: Artmed, 2018.

CAVALHEIRO, A. P.; SILVA, C. L.; VERÍSSIMO, M. L. Consulta de enfermagem à criança: atuação do enfermeiro na atenção primária à saúde. Enfermagem em Foco, Brasília, DF, v. 12, n. 3, p. 540-5, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/19840462/2022/40/2020349. Acesso em: 14 ago. 2023.

CHARPAK, N.; RUIZ, J. G. Latin American Clinical Epidemiology Network Series – Paper 9: The Kangaroo Mother Care Method: from scientific evidence generated in Colombia to worldwide practice. Journal of Clinical Epidemiology, New York, US, v. 86, p. 125-128, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jclinepi.2016.05.019. Acesso em: 28 jul.2022.

COFEN. Resolução COFEN nº 358/2009, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a sistematização da assistência de enfermagem-SAE nas instituições de saúde brasileiras. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Enfermagem, 2009. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html. Acesso em: 07 ago. 2022.

CORDEIRO, R. C. O. et al. Hypothermia and neonatal morbimortality in very low birth weight preterm infants. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 40, e2020349, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1984-0462/2022/40/2020349. Acesso em: 07 ago. 2022.

FONSECA, S. S. O. et al. Nursing Diagnosis Of Mothers And Roomed-In Newborns. International Archives of Medicine, [s. l.], v. 9, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.3823/2162. Acesso em: 07 ago. 2022.

GALVÃO, G. M. et al. The impact of the Kangaroo Neonatal Intermediate Care Unit (UCINCa) on exclusive breastfeeding at the Odete Valadares Maternity (state reference of the Kangaroo methodology). Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, v. 28, 2018. Suplemento 5. Disponível em: https://doi.org/10.5935/2238-3182.20180117. Acesso em: 04 ago. 2022.

GUIMARÃES, E. A. et al. Prevalência e fatores associados à prematuridade em Divinópolis, Minas Gerais, 2008-2011: análise do Sis¬tema de Informações sobre Nascidos Vivos. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, DF, v. 26, n. 1, p. 91-8, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.5123/s1679-49742017000100010. Acesso em: 14 jul. 2022.

JANTSCH, L. B. et al. Fatores obstétricos associados ao nascimento de bebês prematuros moderados e tardios. Enfermería Global, [s. l.], v. 20, n. 61, p. 23-58, 2021. Disponível em: https://dx.doi.org/10.6018/eglobal.417281. Acesso em: 07 ago.2022.

LIMA, A. P. et al. Aleitamento materno exclusivo de prematuros e motivos para sua interrupção no primeiro mês pós-alta hospita-lar. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, RS, v. 40, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rgenf/a/xXXxCrKbxXfhrvnt5xJSxJp/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 05 ago. 2022.

MIGOTO, M. T. et al. Early neonatal mortality and risk factors: a case-control study in Paraná State. Revista Brasileira de Enferma-gem, Brasília, DF, v. 71, n. 5, p. 2527-34, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0586. Acesso em: 06 ago.2022.

NOBREGA, A. A. et al. Mortalidade perinatal no Brasil em 2018: análise epidemiológica segundo a classificação de Wiggleworth mo¬dificada. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 38, n. 1, e00003121, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/PbGVP7GjGKDyLG9q46KdZnP/. Acesso em: 12 jul. 2022.

OLIVEIRA, A. L. et al. Características maternas e dos recém-nascidos admitidos em uma unidade de terapia intensiva. Revista Enfer¬magem Atual In Derme, [s. l.], v. 93, n. 31, e-020022, 2020. Disponível em: https://teste.revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/view/703. Acesso em: 13 jul. 2022.

PÍCOLI, R. P; CAZOLA, L. H. O.; NASCIMENTO, D. D. G. Mortalidade infantil e classificação de sua evitabilidade por cor ou raça em Mato Grosso do Sul. Revista Ciência & Saúde Coletiva, [s. l.], v. 24, n. 9, p. 3315-3324, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018249.26622017. Acesso em: 20 jul. 2022.

SHARMA, D.; MURKI, S.; PRATAP, O. T. To compare growth outcomes and cost-effectiveness of “Kangaroo ward care” with “inter-mediate intensive care” in stable extremely low birth weight infants: randomized control trial. The Journal of Maternal-Fetal & Neonatal Medicine, London, GB, v. 30, n. 14, p. 659-65, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1080/14767058.2016.1220531. Acesso em: 03 ago. 2022

WHO. Impact of continuous Kangaroo Mother Care initiated immediately after birth (iKMC) on survival of newborns with birth weight between 1.0 to < 1.8 kg: study protocol for a randomized controlled trial. Trials, v. 21, n. 280, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s13063-020-4101-1. Acesso em: 29 jul. 2022.

Downloads

Publicado

06.10.2023

Como Citar

GIMENEZ, N. F.; CAÑEDO, M. C.; TORRES, N. L.; LOPES, T. I. B.; NUNES, C. B. Recém-nascidos em alojamento Canguru: caracterização e diagnósticos de enfermagem. Revista de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, v. 6, n. 1, p. 07–17, 2023. Disponível em: https://revista.saude.ms.gov.br/index.php/rspms/article/view/224. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais