Vamos falar sobre redução de danos: comunicação, informação e prevenção ao HIV/AIDS

Autores

Palavras-chave:

Redução de Danos, HIV/AIDS, Prevenção, Comunicação

Resumo

Introdução: O artigo contextualiza a perspectiva da Redução de Danos e sua aplicabilidade nas políticas públicas. Objetivo: Buscamos analisar as práticas que atualmente se caracterizam pela precarização e diminuição no âmbito das respostas comunitárias e coletivas pela sociedade civil. Apresentação da experiência profissional: Colocamos em análise dados da experiência profissional a partir do projeto “Vamos falar de Redução de Danos: comunicação, informação e prevenção ao HIV/Aids e uso abusivo de álcool e outras drogas”, apontando as discussões e estratégias desenvolvidas ao longo do desenvolvimento do projeto. Discussão: Considerando, a partir dos dados identificados, fomentar o debate acerca da articulação entre políticas e práticas de cuidado tendo a participação, mobilização, estratégias de comunicação e protagonismo dos movimentos sociais como parte da organização de linhas de cuidado. Considerações finais: Por último, reconhecemos os serviços e ações direcionadas ao enfrentamento do HIV/Aids e outras patologias e agravos sociais, a partir de ações em comunicação e educação em saúde como dimensão social necessária à remissão das iniquidades sociais.

Referências

ANDRADE, Tarcísio Matos. Reflexões sobre políticas de drogas no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 12, p. 4665-4674, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001300015. Acesso em: 16 jan. 2023.

BASTOS, Francisco Inácio; BERTONI, Neilane (org.) Pesquisa Nacional sobre o Uso de Crack: Quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? Rio de Janeiro: Editora ICICT/FIOCRUZ, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Manual de redução de danos. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Manual de adesão ao tratamento para pessoas vivendo com HIV e aids. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Prevenção Combinada do HIV/Bases conceituais para profissionais, trabalhadores(as) e gestores(as) de saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de HIV/Aids. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2020. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2020/boletim-epidemiologico-hivAids-2020. Acesso em: 03 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Guia Instrumental Viva Melhor Sabendo. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2021.

CALIL, Thiago Godoi. Condições do lugar: Relações entre saúde e ambiente para pessoas que usam crack no bairro da Luz, especificamente na região denominada cracolândia. 2015. 145f. Dissertação (Mestrado em Ambiente, Saúde e Sustentabilidade) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

CEBRID. I Levantamento Domiciliar sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil: Estudo Envolvendo as 107 Maiores Cidades do País – 2001. In: CARLINI, Elisaldo Luiz de Araújo et al. I Levantamento Domiciliar sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil: Estudo Envolvendo as 107 Maiores Cidades do País - 2001. São Paulo: CEBRID – Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas: UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo, 2002. p. 12-15.

CONTE, Marta (org.). Caiu na rede, mas não é peixe: vulnerabilidades sociais e desafios para a integralidade. Porto Alegre: Pacartes, 2015.

DELMANTO, Júlio. Drogas e opinião pública no Brasil: hegemonia da desinformação. In: BOKANY, Vilma (org.). Drogas no Brasil: entre a saúde e a justiça: proximidades e Opiniões. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015. p. 85-102.

GONDIM, Sônia Maria Guedes. Grupos Focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, Belo Horizonte, v. 12, n. 24, p. 149-161, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/paideia/a/8zzDgMmCBnBJxNvfk7qKQRF/ ?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 set. 2021.

IHRA. Who we are what is harm reduction?, [s. l.], 2008. Disponível em: https://hri.global/what-is-harm-reduction/. Acesso em: 15 jan. 2023.

LÓPEZ, Laura Cecília. The concept of institutional racism: applications within the healthcare field. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 16, n. 40, p. 121-34, jan./mar. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/icse/a/hxpmJ5PB3XsWkHZNwrHv4Dv/abstract/?lang=pt. Acesso em: 14 nov. 2021.

MELO, Eduardo Alves et al. Cuidado de pessoas vivendo com HIV na atenção primária à saúde: reconfigurações na rede de atenção à saúde? Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 37, n. 12, p. 1-11, 2021. Disponível em: http://cadernos.ensp.fiocruz.br/static//arquivo/1678-4464-csp-37-12-e00344120.pdf. Acesso em: 30 mar. 2022.

NUNES, Everardo Duarte. Saúde coletiva: história de uma ideia e de um conceito. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 521, 1994.

PAES, Paulo Cesar Duarte; ORLANDO, Tathiane Sanches. Escola de redução de danos na fronteira do Brasil com o Paraguai. Rio de Janeiro, RJ: Psicotrópicus, 2013.

PAIM, Jairnilson Silva. Reforma Sanitária Brasileira: contribuição para a compreensão e crítica. Salvador: EDUFBA; Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008.

PETUCO, Dênis Roberto da Silva. Redução de danos: das técnicas à ética do cuidado. In: RAMMINGER, Tatiana; SILVA, Martinho (org.). Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede Unida, 2014. p. 133-148.

ROCHA, Francisco et al. Monkeypox e o retorno de um espectro: o campo da saúde em tempos sombrios. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 26, e220417, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.1590/interface.220417. Acesso em: 02 fev. 2023.

Downloads

Publicado

06.10.2023

Como Citar

NOLASCO, G. L. P.; LINDNER, L. da C.; ARAÚJO, E. F. de. Vamos falar sobre redução de danos: comunicação, informação e prevenção ao HIV/AIDS . Revista de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, v. 6, n. 1, p. 53–64, 2023. Disponível em: https://revista.saude.ms.gov.br/index.php/rspms/article/view/240. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Relatos de caso ou de experiência profissional