O olhar do agente comunitário de saúde para a sua prática profissional: trabalho previsto, trabalho real e a influência dos processos de formação

Autores

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Agente Comunitário de Saúde, Educação Profissional em Saúde, Qualificação Profissional, Trabalho em Saúde

Resumo

Introdução: Desde a instituição do Sistema Único de Saúde (SUS), foram observados avanços no cenário da saúde pública. A inscrição da saúde enquanto um direito é um grande marco. A reorganização assistencial brasileira, que parte de uma assistência médico centrada, hospitalocêntrica e excludente, em direção ao acesso universal, gratuito e com enfoque preventivo, também representa um grande avanço. A incorporação da Estratégia de Saúde da Família (ESF) ao SUS, contribuiu para esta reformulação, considerando os seus princípios e diretrizes, operacionalizados por meio de uma equipe multiprofissional. Os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) são membros desta equipe, fortalecem o enfoque territorial e contribuem para que as ações preventivas na ESF sejam ressaltadas, considerando, principalmente, o seu papel educativo e de promotores da saúde. Objetivo: Discutir a relação entre a qualificação e a formação profissional do ACS e seus reflexos no cotidiano da sua prática e, de forma mais específica, identificar quais atribuições são mais relevantes em seu cotidiano laboral. Métodos: Foram analisados dados coletados por meio de entrevistas realizadas com 20 ACS, garantindo a representatividade das cinco regiões brasileiras. O presente estudo parte de um projeto mais amplo, de base qualitativa, intitulado Processo de Trabalho dos Técnicos em Saúde na perspectiva dos saberes, práticas e competências, que teve como objetivo analisar a formação profissional dos trabalhadores técnicos da ESF, considerando os seus princípios e diretrizes e as características do processo de trabalho. O estudo contemplou enquanto participantes: auxiliares/técnicos de enfermagem, os técnicos de saúde bucal (TSB), ACS e os agentes de combate a endemias (ACE), que integram equipes da ESF. A coleta de dados foi realizada em 20 municípios de 13 estados brasileiros. Apresentar índice de cobertura da ESF maior ou igual a 60% e equipes compostas por enfermagem, ACS, TSB e ACE, representam os critérios para compor a amostra. A pesquisa respeitou todos os preceitos éticos, aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa sob o parecer nº 1.064.681CAAE: 43320215.1.0000.5241. Considerando o objetivo traçado para este estudo, foram analisadas apenas as falas de ACS, selecionando, aleatoriamente, um representante de cada município, compondo a amostra de 20 participantes. Resultados: Com base na análise de conteúdo das entrevistas foi possível compor duas categorias de análise: “o saber acumulado do ACS†e a “valorização das atribuições sob a ótica do próprio profissionalâ€. Com base nos achados contemplados na primeira categoria, foi possível discutir a relação existente entre a qualificação e a formação dos ACS e como tais processos refletem em seu cotidiano prático, de modo que o ACS passou por processos diretamente voltados para a prática profissional, com destaque ao Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Ãrea da Enfermagem (PROFAE) e Curso Técnico de Agente Comunitário de Saúde (CTACS); bem como cursos curtos e pontuais sobre temas especificamente ligados às atividades de coleta de dados ou temas relacionados as linhas de cuidado ou a epidemia de arboviroses. Mesmo com o investimento teórico relevante e significativo, tendo a sua importância reconhecida pelo ACS, o conhecimento empírico, adquirido na rotina e nas trocas com os outros colegas de trabalho, onde a principal referência é representada pela figura do enfermeiro, ainda assume centralidade para nortear a sua prática e compor a carga do seu saber profissional. Com base nos achados contemplados na segunda categoria, foi possível identificar quais atribuições são mais relevantes em seu cotidiano laboral, dividias entre o trabalho interno/burocrático e o trabalho no território desenvolvido pelo ACS, bem como ao maior valor que atribui às atividades desenvolvidas no território. Também é importante ressaltar a dicotomia existente entre o trabalho real – presente na fala dos participantes, contemplando as atribuições possíveis de serem praticadas – e o trabalho prescrito, ou seja, o conjunto de atribuições desenhadas para o cargo e que muitas vezes, não é possível praticá-las ou que, até mesmo, são desconhecidas pelo ACS. Conclusão: Os resultados encontrados evidenciam que o ACS atribuiu valor às raízes de atuação, ao trabalho educativo, no território e que o trabalho real é mais amplo que o trabalho previsto. Indica-se que a incorporação de inúmeras atividades se deve ao déficit de profissionais e a forma vaga com que as políticas de saúde tratam estes trabalhadores, em especial o principal documento que norteia a atenção básica a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB).

Biografia do Autor

Monique Nunes Fiuza Dias, ENSP/FIOCRUZ

Graduada em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Alfredo Pinto (EEAP) da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá (UNESA). Pós-Graduada nos moldes de residência do Curso de Enfermagem em Saúde Coletiva na Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa (EEAAC) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Educação em Saúde pelo curso de Mestrado Profissional da Escola Politécnica Joaquim Venâncio / Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ/EPSJV). Aluna do segundo ano do programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Escola Nacional em Saúde Pública (ENSP) em nível de Doutorado (FIOCRUZ), no eixo de Determinação.

Downloads

Publicado

18.01.2023

Como Citar

DIAS, M. N. F. O olhar do agente comunitário de saúde para a sua prática profissional: trabalho previsto, trabalho real e a influência dos processos de formação. Revista de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, v. 5, n. 1, p. 68–69, 2023. Disponível em: https://revista.saude.ms.gov.br/index.php/rspms/article/view/221. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Resumos de dissertação ou tese de doutorado